Artigos

logo

(11) 5538-0011

A epicondilite lateral é uma doença altamente frequente e que acomete atletas e não atletas. Ela é provocada pela realização de movimentos repetitivos dos punhos e dedos que, em longo prazo, pode se manifestar por meio da dor no cotovelo.

O que é?

A epicondilite lateral, popularmente conhecida como cotovelo de tenista, não se restringe apenas aos praticantes dessa modalidade esportiva. Qualquer pessoa que realiza movimentos repetitivos com os punhos e os dedos pode, eventualmente, manifestar os sintomas dessa disfunção.

Esse tipo de lesão ocorre no epicôndilo lateral, proeminência óssea localizada na lateral do cotovelo. Muitos músculos extensores são originários dessa região. Quando o punho está estendido, a musculatura da região permanece contraída. Por sua vez, a posição gera tensão que pode ocasionar inflamações, sobretudo quando a região sofre com sobrecargas constantes. Portanto, para esse processo inflamatório, dá-se o nome de epicondilite lateral.

De forma geral a pessoa acometida com a condição sofre com dor no cotovelo, fadiga muscular, edema e muita sensibilidade. Felizmente existe uma série de tratamentos que amenizam esse tipo de transtorno, tal qual a fisioterapia e o uso de alguns fármacos. Outro método eficaz de recuperação se dá por meio do tratamento por ondas de choque.

Quais as causas?

Como ressaltado, o processo inflamatório que causa a epicondilite lateral do cotovelo se origina de uma sobrecarga da musculatura local. A inflamação pode causar degeneração das fibras de colágeno dos tendões. Se em médio prazo a sobrecarga persistir, uma série de cicatrizes de fibrose podem se formar.

Além de atletas, a epicondilite lateral costuma se manifestar em indivíduos com mais de 30 anos, independentemente da atuação. Movimentos no computador e até exercícios de musculação mal executados podem causar o surgimento da lesão.

Sintomas

O principal sintoma da epicondilite lateral geralmente é a dor no cotovelo. Inclusive o desconforto pode piorar gradualmente na própria proeminência óssea, caso não haja um tratamento adequado.

Pessoas acometidas pela epicondilite lateral do cotovelo também tendem a manifestar fraqueza do punho e dos dedos e rigidez muscular. Ao primeiro toque sobre a região afetada, a pessoa poderá se queixar de sensibilidade.

Diagnóstico

O exame clínico junto a um especialista é suficiente para identificar com eficiência a epicondilite lateral do cotovelo. Entretanto, por muitas vezes, o médico responsável pode indicar alguns exames de imagem para descartar outros tipos de lesões.

Tratamento

Existe uma série de tratamentos cabíveis para aliviar os desconfortos da epicondilite lateral. A princípio o médico indica repouso para o paciente, sobretudo do membro afetado pela lesão.

Com o intuito de diminuir a dor no cotovelo, algumas opções como compressa com gelo, uso de analgésicos, acupuntura e fisioterapia são indicadas. Se a dor for muito intensa, o paciente poderá ser orientado a fazer o tratamento com infiltrações, que aliviam a dor. O tratamento por ondas de choque também é uma opção para o paciente.

Em casos mais graves, o paciente pode ser submetido a uma cirurgia. Principalmente para quem não manifestou melhora com os tratamentos conservadores, mesmo depois de seis meses.

Responsável Técnico

Dr. Paulo Facciolla Kertzman
CRM: 57.367
Ortopedia e Traumatologia

Endereço

R. Dr. Jesuíno Maciel, 1610
Campo Belo – São Paulo (SP)
CEP 04615-004

Tel: (11) 5538-0011

Horário de funcionamento

Segundas às Sextas-feiras: 8h00 às 19h00
Sábados: 8h00 às 13h00*

*Verifique disponibilidade